Bancos imaginam que o consumidor é idiota

Os bancos brasileiros continuam achando que somos todos idiotas e subestimam a nossa percepção tentando nos enganar com baboseiras diversas, balelas variadas e ampla demagogia apresentada em comerciais de tv, quando, se passando por bonzinhos e protetores do universo, do planeta e da natureza, imaginam talvez, que iremos acreditar em peças teatrais montadas com contextos fictícios repletos de papo furado e lorotas.

Todo o mundo já sabe que cuidar do meio ambiente é um dever de cada cidadão, mas compete aos poderes constituídos e órgãos ligados a esta área administrar esta delicada questão, com amor à causa, muito respeito e dedicação e ainda, políticas sérias e incentivos a estudos e técnicas naturais desenvolvidas por laboratórios sociais criados para esse fim.

Entendo que esta não seria a função de instituições financeiras, pois não foram criadas para este fim, uma vez que, mau e porcamente cumprem o seu papel social de dar apoio amplo e respeitar o cidadão como consumidor dos seus serviços, mas, seu milionário marketing na tv tenta nos passar a imagem de empresas cidadãs, com campanhas de forte impacto sentimental e cívico, porém, a grande verdade é que não conseguem convencer a ninguém, já que existem pesquisas que comprovam que a responsabilidade ambiental apresentada pelos bancos não passa de enganação em massa, uma espécie de “ouro de tolo” e no meu modo de ver, este fato denuncia uma postura vergonhosa, uma vez que deflagra um enorme contra-senso no fato de empresas se preocuparem tanto com o meio ambiente e com a natureza, mas, por outro lado esfolam vivos os seus consumidores e patrocinam em massa a desgraça financeira destes, quando da participação dos mesmos nas relações de consumo mantidas.

Pode até ser admissível e possível, o envolvimento de determinado banco com um empreendimento voltado a qualquer projeto de cultivo agrícola, mas, isto somente ocorrerá se for certa a possibilidade de o mesmo ganhar muito dinheiro, uma vez que querem abraçar o mundo dos negócios e nada fazem que não seja com a finalidade vastamente lucrativa, porém, não se deixem enganar, pois, banco não faz nada para ninguém que não seja para ganhar muito dinheiro, muito menos para a natureza, que não tem boca para reclamar ou levá-los à justiça e, duvido que algum banco se aproxime da questão “meio ambiente”, verdadeiramente por preocupação com as pessoas ou a natureza, pois, somente o fazem com a certeza de levar vantagem, digo, para ganhar mais e mais dinheiro, movidos pela ganância cravada no caráter de seus dirigentes, que supera a linha do absurdo e, por conta disto, eu, aqui reafirmo, – “o banco em um dia tira a sua fome, mas, no outro tira-lhe as panelas” e posso assegurar, que, quem acredita ou confia em banco ou em conversa de banqueiro, está fazendo papel de tolo, e deixando sua alma aos cuidados do diabo.

Como podemos confiar ou acreditar em dirigentes ou empresas que em 26 de dezembro de 2001 se uniram e deram entrada no Supremo Tribunal Federal com a Ação Direta de Inconstitucionalidade de nº 2.591 para derrubar o Código de Proteção e Defesa do Consumidor?…

O que podemos esperar de tecnocratas e instituições prestadoras de um serviço essencial à população, que, de mãos dadas, adentraram na 2ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, com uma liminar que suspendeu os efeitos da Lei Municipal 13.948, defendendo com este feito, a permanência dos consumidores paulistanos nas filas dos caixas das agências bancárias em pé por horas seguidas?…

Eu respondo: – > Podemos esperar tudo, menos que estas empresas e seus dirigentes se preocupem verdadeiramente e sem demagogia com o cidadão consumidor ou com a mãe natureza.

Existem pessoas que me dizem: – “…Mas os bancos nos emprestam dinheiro…” – Só que eu digo, eles não emprestam dinheiro a ninguém sem antes pesquisar a vida do solicitante para comprovar se o mesmo possui condição ou bens para pagá-lo, ou sem exigir garantias plenas e avalistas que possuam bens – e tudo isto é somente para emprestar ao cliente consumidor o seu próprio dinheiro, ou o dinheiro dos outros correntistas que engordam os cofres destes gananciosos praticantes de agiotagem.

Senhores banqueiros, o que o cidadão consumidor espera de um banco é que este cumpra a sua parte de maneira digna, – que ofereça dinheiro a juro baixo, – que trate seus clientes com respeito e igualdade, – que cesse com o inchaço indiscriminado de dividas inadimplentes, cobrando apenas valores devidos de verdade, com taxas e tarifas justas e ainda, – o consumidor bancário espera por facilidades de crédito, entre outros benefícios e necessidades sociais de direito, pelos senhores bem conhecidas e, pouco importa, se os senhores plantam 19 milhões, uma dúzia apenas de árvores, ou somente, um pé de melancia, de abóbora, alface ou bananas, pois estas os consumidores sabem bem onde encontrar, agora, um bom atendimento bancário o brasileiro nunca soube o que significa e já seria tempo de todos os senhores banqueiros brasileiros se reunirem em suas suntuosas salas de reuniões e decidirem de maneira uniforme, oferecer um serviço decente e compatível com a força do consumo de primeiro mundo exercida pelos consumidores brasileiros, para que não sejam obrigados a fazê-lo através de ações judiciais em massa, pois, já não mais combina com os tempos atuais, os senhores ficarem cultivando demagogia evasiva na mídia nacional, pois estão perdendo tempo e gastando milhões e milhões em marketing, milhões estes que poderiam ser revertidos em melhorias e benefícios para os milhões de consumidores brasileiros carentes de igualdade social e respeito.

O Bradesco quer ser o banco do planeta, com forte consciência ecológica e ambiental, pelo menos, é o que ele diz na mídia e ainda, o banco com 120 razões para beneficiar seus clientes, além de ser um dos grandes plantadores de árvores em todo país.

O Itaú diz ser o banco feito por você e para você e ainda, se apropriou da cor “laranja” para psicologicamente induzir os seus clientes consumidores a lembrar e agregar esta cor à sua valiosa marca.

A Caixa Econômica Federal se esquece que é um banco social e age como mais um ganancioso banco comercial, mas, mesmo assim se diz ser o banco da sua vida e agora, quer induzir nossas crianças a se tornarem desde cedo, em consumidores exclusivos, através do teatro indutivo praticado pelos monstrinhos poupançudos.

O Real e o Santander não sabem mais o que fazer e esbanjam criatividade no sentido de tentar convencer o cliente consumidor de que são os bancos da consciência plena e do incentivo ao consumo responsável e disputam espaço com o outro que se apresenta ao público como o banco do Zé, do João, da Maria e do Pedro, entre outros nomes e ainda, apresenta produtos e serviços inteligentes que somente beneficiam os seus clientes, – isto é o que diz na mídia.

O Unibanco continua insistindo e batendo na mesma tecla, de maneira absurda e desrespeitosa, para passar aos clientes consumidores a falsa imagem de que evoluiu tanto, que nem parece banco – e isto se deve talvez, pela certeza de seus dirigentes de que a “instituição banco” está em descrédito e desmoralizada frente à apreciação ética da população.

E por aí vai… – E os outros bancos menores, também criam suas maneiras falsas de atraírem clientes, para depois tratá-los apenas como um número a mais e ainda, esfolá-los vivos, sugando-os até o bagaço em benefício próprio, na pavimentação de uma larga estrada sem iluminação, rumo ao enriquecimento ilícito, longe do balizamento dos ditames da reciprocidade financeira, agredindo descabidamente nossa Carta Magna, o Código Civil Brasileiro, a Lei Federal 8078/90, o Código de Proteção e Defesa do Consumidor Brasileiro e ainda, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, entre outras.  É lamentável!…

Tags , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

3 respostas para Bancos imaginam que o consumidor é idiota

  1. Miguel Nvarrejo diz:

    Degrande utilidade suas palavras! Muito bom nas horas que nâo sabemos a quem recorrer. Parabéns e obrigado Dr Marcos.

  2. Fabiano B. diz:

    PARABÉNS pelo texto, finalmente alguém que enxerga as coisas que tentam nos “empurrar guela abaixo”.

  3. É este tipo de texto que esperamos do Sr. neste novo site, parabéns! Excepcional!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *